AO SABOR DO VENTO

Poesia e prosa

Meu Diário
10/12/2009 23h42
A LAGARTA OBESA, (histórias que acontecem em Higienópolis)
 Um dia, no começo do Verão...

Chovera toda a noite e toda a manhã. 

Uma chuvinha mansa e constante, caindo quase sem ruido, mas ensopando tudo e todos.

Depois, quando um vento vindo do mar abriu as cortinas de núvens, foi aquela alegria de ver crianças na rua, pássaros chilreando no céu e pessoas sem se esconderem debaixo dos guarda chuvas.

Aproveitei logo para sair também e dar uma voltinha pelo bairro.

Mal tinha dado uns 50 passos vi, arrastando-se pelo chão, uma "coisa" às riscas pretas e amarelas.

 Não era lagartixa, nem salamandra, pois não tinha pernas nem lhe vi olhos.

Parecia uma lagarta gigante!
 


E era uma lagarta gigante, mesmo... Uma Lagarta Obesa!



Aproximei-me até quase lhe tocar, certa de que não era bicho capaz de saltar ou correr na minha direção.
 
Nunca vi lagarta tão grande, tão gorda, nem tão lindamente decorada.
 
E logo, sem ter que pedir licença, lhe tirei várias fotos.



Ao ver o meu interesse por aquela criatura, um empregado da loja em frente, disse-me que essas lagartas caiam duma árvore.
 
- Que árvore?perguntei.
 
- Ali, ali... A das flores laranja! 
 
- E como se chamam?
 
- A lagarta, não sei...

- Não, não, como se chama a àrvore?
 
- Ah, isso também não sei...



 
 Cheia de curiosidade perguntei ainda:
- E porque elas, as lagartas, estão a cair assim para o chão?
 
- É porque comem, comem até ficar assim grandes, pesadas e  caem... E isto assim todos os anos. 
 
 
E lá fui eu à cata das lagartas.

Até  parece que elas tinham usado a cor das flores para pintar algumas partes do corpo.

Foi então que vi um homem a conversar com o seu cachorro e a olharem ambos para o chão.

Percebi logo que também eles estavam fascinados com as lagartas. 
 
E logo encetamos uma conversa. 
 
O cão, obviamente instruido a tal, apenas olhava e torcia o nariz.
 
O dono lamentava estar sem máquina fotográfica... 
 
Mostrei-lhe as fotos já tiradas, e ele prontificou-se a colocar a mão ao lado da lagarta para termo de comparação. 
 
Então, lembrei-me que poderia enviar-lha diretamente do celular por e-mail. E assim foi.


 

Publicado por Eugénia Tabosa em 10/12/2009 às 23h42
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras